CroPoesias – Poesias, Crônicas e Contos

Pura saudade, saudade que fala a verdade – poesia

pura

VISITE MEU BLOG

Pura saudade. A saudade é um estado emocional que nos envolve normalmente de tristeza, de melancolia, de remorso. Por quê? Será verdade o que ela nos fala? A saudade em si representa uma das naturezas pelas quais o ser humano em sua criação não foi devidamente preparado, construído de modo a administrar com excelência.

Se buscarmos a resposta, encontrá-lo-emos na perpetração do pecado original de Adão e Eva cometido no Jardim do Éden. Aquele ato pecaminoso desencadeou o estabelecimento da maldição que acompanha o homem até o retorno de Jesus Cristo, segundo a Bíblia Sagrada. Dentre os desdobramentos da maldição está aquele do homem não saber administrar suas perdas, sejam físicas como emocionais. Em verdade, a pura e genuína saudade é um efeito da perda, de não mais se ter o ente querido, a pessoa amada e consequentemente não ter mais o amor que lhe confortava o coração e a alma.

Pura saudade, saudade que fala a verdade

Chovia muito lá fora e pelo vidro da janela eu podia ver sua intensidade

Meu olhar lacrimoso escapou pelo vidro e encontrou a rua em inundação

Minha mente começou a devanear, a entregar-se a pura e inquietante saudade

A mesma saudade que despertou em mim a perda do amor, da tenra emoção

 

Meu pesar pela água desperdiçada, escorrendo fugidia pelas sarjetas e ruas

Mas o amor é assim também quando desperdiçado, quando não bem vivido

Causa tristeza, uma saudade que fala a verdade, que deixa nossas almas nuas

Despidas das emoções sentidas, vividas em regozijo nos braços de alguém querido

 

Verdade que nos revela que o amor é sentimento poderoso, mas também frágil

Que pode se despedaçar e o romance se desintegrar, extinguindo a doce paixão

Paixão pura, não mais correspondida, não mais atendida, que foge em passo ágil

Quanto sofrimento! Que saudade a amargar o coração, a provocar sua destruição!

 

Lágrimas correm pelo seio da face, como a água que corre para o mar

Limpa ou suja, sendo que o amor maculado pela dor da separação

Simplesmente não se esvai, fica presente, fica doente, a envenenar

A carne, a alma, o espírito, a jogá-los num cárcere sem redenção

 

Que o amor crie juízo e seja mais como a água que flui e a tudo supera

Transpondo as barreiras, contornando obstáculos para não se estagnar

Que o amor encontre meios a vencer sua finitude, algo que muito se espera

Para se tornar o fundamento de toda a felicidade, e para todo o sempre se renovar

Robert Thomaz

Você também pode gostar dessa poesia:

“Não sinto saudade de um tempo não muito distante…”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.