CroPoesias – Poesias, Crônicas e Contos

Estou a declarar o meu amor – poesia

declarar

VISITE MEU

Declarar o amor a uma mulher para alguns homens é coisa fácil, entretanto para outros não se constitui em tarefa tão simples. Declarar o amor denota coragem, autoconfiança e finalmente paixão, uma ardorosa paixão por aquela que será sua companheira, sua amigas de todas as horas, dar-lhe-á herdeiros e saberá de todos os seus segredos. Declarar o amor é entregar seu coração a uma mulher para que ela cuide dele com todo o calor de seu amor.

Estou a declarar o meu amor

A emoção do amor para o telhado nos arrastou

E lá ficamos deitados, lado a lado, sobre o nosso ninho

A contemplar extasiados o pano de fundo que nos conclamou

As estrelas cravejadas no negrume enfeitavam em desalinho

O palco silente da noite enluarada

O brilho do astro dos românticos parecia crescente e dominador

Despertou em mim um desejo em disparada

E teu meigo olhar se fez em mim devorador

Nos beijamos com ternura e suavidade

Para logo depois me deixar perplexo

Indagando se em nossa relação havia sinceridade

Embaraçado e surpreso, achei sua atitude sem nexo

E você disse que para ti o amor era algo grandioso

Que todo o espetáculo ali promovido pela lua

Era apenas parte de nossa relação, fato generoso

Que tu eras sincera, sendo perante a mim alma nua

E o teu coração inseguro

Necessitava saber o quanto eu a amava

A incisiva pergunta me deixou em apuro

Afinal tu eras a única mulher na vida a qual eu estava

E sem partir para indesejáveis entremeios

Passei a dizer-lhe tendo a lua como testemunha

Por dias e noites estive a tua procura, sem rodeios

Em jardins e moradas acreditei que te encontraria, eu supunha

Mas a sorte se afastou de mim

Por logradouros e vilas peregrinei

Ninguém te conhecia ou sabia o teu fim

E mesmo assim eu não desanimei

A chuva chegou, o carro quebrou

Mas meu amor por ti eu não perdi

Passei a trabalhar porque o dinheiro terminou

De tudo um pouco eu fazia

Era garçom, pedreiro ou lavador

Cansado, à noite meu corpo na cama jazia

Era suor, fome e dor

E o coração palpitante pedia minha perseverança

Suas doces e surdas batidas

Diziam no idioma do amor que eu não perdesse a esperança

Que estimulasse as emoções ali retidas

E continuei a procurar por tua presença

No caminho conheci mulheres que desejavam meu calor

Mas a todas declarei a minha sentença

Que meu coração e amor

A ti pertenciam ainda que eu não a tivesse encontrado

E muitas delas ficavam a rir, a me humilhar

Dizendo que belo homem, pena que capado

Pelo fato de meu corpo com elas não compartilhar

A busca findou-se quando cheguei à pequena cidade

Na avenida principal te avistei numa morada

A mulher que de tão bela ocultava a idade

Meu coração bradou me dizendo que era a minha amada

E por tantas tardes aprazíveis em passeios

E por noites de amor com muita emoção

Estou aqui a declarar meu amor, sem receios

Para a mulher que conquistou meu coração

Do céu enegrecido pela ausência de luz

A lua e as estrelas lançam tenra claridade

Luz doce e meiga que a todos conduz

Sobre o nosso amor, um amor de lealdade

Energia lunar que em muito nos influencia

Somos dois românticos vivendo uma só agitação

Consciências em plena sintonia

Almas em perfeita conspiração

E para viver eternal intimidade

Aqui estou sobre este tosco telhado

Pedindo-te em matrimônio em verdade

Como percebes por meu olhar molhado

Robert Thomaz

Você também pode gostar dessa poesia:

“Defensores do Rei”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.