CroPoesias – Poesias, Crônicas e Contos

Não passamos de um pouco de barro – poesia

barro

VISITE MEU

Ser criado do barro e das cinzas foi a maneira de justificar a pequenez e fragilidade da qual o homem é dotado. Apesar de toda a inteligência e capacidade cognitiva que desenvolveu ao longo dos tempos, sua fragilidade é extrema se comparada a outros seres viventes.

Deus o criou a sua imagem e semelhança e soprou em suas narinas seu espírito, dando-lhe aquilo que tanto estimamos e lutamos para prolongar que é a vida, a existência num mundo que acreditamos dominar. Essa soberba – qualidade de quem se sente superior, arrogante – torna o homem ainda menor e insignificante ante o poder e a grandeza de Deus e Jesus Cristo. O primeiro nos criou e o segundo se submeteu ao calvário para a nossa salvação. Ambos são magnânimos e tem uma benignidade eterna, não mensurável.

Não passamos de um pouco de barro

Quão grande é a nossa pequenez diante do Altíssimo, de seu poder e grandeza

Criados num tempo que não o nosso, fomos do Éden expulsos por traição

Traímos o amor de Deus por nós, tão fracos quanto soberbos, coisa indefesa

Somos diante de sua tolerância e magnanimidade, ó Deus de tanta afeição

 

Em sua benignidade não nos despreza em nossa frágil natureza

Não passamos de um pouco de barro que suas mãos tão poderosas

Moldaram como o oleiro trabalha o barro, dando-nos forma e beleza

Óh Pai tão clemente com nossas ofensas e pecados, ações desonrosas

 

Senhor Deus, feliz ficaste quando nos moldou segundo a tua vontade

Com paciência e profundo cuidado, daí seu amor por nós, apesar de nossas ofensas

Foste amoroso em tua criação, iniciando de dentro para fora, que criatividade

Dando-nos a sua imagem e semelhança, quanto amor por tão poucas recompensas

 

Por leviandade e traição perdemos a oportunidade de viver longe do tormento

Na embalagem de barro na qual ficamos tão envaidecidos, mas que ao menor abalo

Pode se partir, por dentro e por fora, por insensatez e falta de discernimento

Ó Deus meu, perdoa esse pedaço de barro e concede teu amor a esse vassalo

Robert Thomaz

Você também pode gostar dessa poesia:

“És uma rosa cintilante…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.